Central de Atendimento

(51) 3228 2318

Anatomopatológico

Os exames anatomopatológicos são realizados através da análise de fragmentos de tecido ou órgão retirados por meio de biópsias, cirurgias, endoscopias, punção aspirativa com agulha grossa, necrópsias, entre outros.

O estudo desses fragmentos permite análises macro e microscópicas com o objetivo de estabelecer o diagnóstico, avaliar fatores histopatológicos prognósticos e as margens cirúrgicas.

Com o resultado desse exame, o médico direciona o paciente para o tratamento adequado e às vezes, investigação de familiares do paciente.

Citopatológico

É o estudo de alterações celulares em células individuais ou em grupo de células. Tem a vantagem de ser um exame rápido, prático e de fácil obtenção de material.
Pode ser considerado um ótimo exame de rastreamento para muitas neoplasias malignas ou de lesões precursoras destas, como é o caso do citopatológico de colo uterino (Papanicolaou).

Os exames citopatológicos podem ser:

  • Exfoliativos: quando se examinam células da superfície de uma lesão ou órgão, que são retiradas através de um raspado, escovado , lavado. É o caso do citopatológico de colo uterino, esfregaço de esôfago, lavado bronco-alveolar, lavado vesical.
  • Aspirativos: quando se examinam células de órgãos sólidos, que são retiradas através de punção por agulha fina (PAAF). Por exemplo: lesões de tireóide, mama, linfonodo, glândula salivar. Punções de lesões pequenas ou profundas geralmente necessitam ser guiadas por ecografia.

Imunoistoquímica

Exame de grande especificidade realizado através da aplicação de anticorpos a um tecido com o objetivo de:

  • Esclarecer o tecido de origem de uma neoplasia maligna;
  • Identificar o órgão de origem de uma neoplasia metastática;
  • Discriminar a natureza “benigna” versus “maligna de determinadas proliferações celulares identificadas no anatomopatológico;
  • Avaliar a sensibilidade a fármacos por parte dos tumores, como é o caso do câncer de mama e de alguns tumores do trato gastro-intestinal;
  • Subclassificar neoplasias, como por exemplo tipos de linfoma;
  • Detectar micrometástases;
  • Pesquisar fatores prognósticos terapêuticos e índices proliferativos de determinadas neoplasias.

O exame imunoistoquímico é realizado no mesmo material retirado para o anatomopatológico.

Para se ter o melhor resultado possível de um exame imunoistoquímico é importante que seja interpretado por patologista treinado e realizado com técnica qualificada.

Autopsia Perinatal

Autopsia ou necropsia é o procedimento no qual tenta-se estabelecer a causa ou o modo como ocorreu a morte.

A necropsia perinatal constitui-se de:

  • Exame Ectoscópico: detecção de alterações macroscópicas, a olho nu;
  • Exame Microscópico: após a ectoscopia, a procura por alterações microscópicas através do estudo histológico de todos os órgãos;
  • Elaboração do Atestado de Óbito (concluído após o exame ectoscópico). Esse procedimento junto ao exame ectoscópico dura cerca de duas horas;
  • Elaboração do Laudo Anatomopatológico (concluído após o exame microscópico).

Indicações de necropsia perinatal:

  • Morte fetal ou neonatal sem causa diagnosticada;
  • Morte fetal ou neonatal com alterações morfológicas à ecografia intra-útero;
  • Morte fetal ou neonatal cujos pais são carreadores ou portadores de alterações genéticas, auxiliando no diagnóstico e aconselhamento genético.

Documentos necessários para realização da necropsia perinatal:

  • Autorização da mãe ou do pai ou do responsável legal;
  • Envio do atestado de óbito por parte do hospital para ser preenchido e assinado pelo patologista;
  • Documento de identidade do responsável (mãe ou pai ou responsável legal);
  • Informações clínicas fornecidas pelo médico assistente.

Please publish modules in offcanvas position.